fevereiro 08, 2017

a casa (II)



Acontecia

áspera [na linha tinta,
no delicado traço da geada]

a cicatriz do tempo, a casa

o tronco, o rosto
a haste. E na raiz do corpo
a casa. E na matriz da luz

os movimentos da casa, a casa
em silêncio

como se na quietude da casa
o vestígio de azul poema no livro pudesse acontecer enquanto

escrevia os quartos desarrumados pelos corpos magros

que por entre as sombras
[por entre as sombras espúrias]

são linhas ausentes de astros e claridades,
linhas incertas

de luz,
matriz da luz, retratos ou mapas que escreviam o tempo

no tempo;

eram linhas trémulas,
e contudo tão concretas

como instantes, os movimentos da casa


Janeiro 2017.18

Sem comentários: