fevereiro 08, 2017

a casa (I)



Tentava escrever

com a minha mão direita,
com a minha mão esquerda, alma corpo inteiro

a casa, os movimentos da casa, a casa

o osso aparente, a vértebra em silêncio,
a côdea dura do lume apagado, resíduo
da dobra da cal descosida na sombra, a sépia

como se em silêncio o vestígio da casa
pudesse acontecer enquanto

escrevia a janela, a luz, a pedra, a brisa
o sopro da cinza vaga do livro

[o azul poema do livro]

a mesa aberta às sobras do norte,
a poalha transparente

na mão do rio,
a margem agitada

a casa, os movimentos da casa, o osso aparente da casa.


Enquanto tentava escrever,
acontecia

a casa.


Janeiro 2017.18

Sem comentários: