outubro 01, 2016

1 (cadernos do outubro)



O tudo-nada onde aconteço, esse vulgar hábito escrito, a toda-palavra que recolho
recolho-a na primeira seiva da manhã.

De passagem,

escrevo rascunhos de casas toscas no tempo
uma árvore no espaço
(e quem sabe?)
de súbito
acrescento
algo tão irrelevante que se assemelhe 

a uma palavra da cor do dia.


[outubro.2016]



[fotografia|joão ricardo sousa.2015]

Sem comentários: