agosto 12, 2010

Nuvem Principiante

.



















Se soubesse como se cantam as canções de amor,
Cantava-as.

Se imaginasse como se escrevem cartas de flores
Redigia-as, mesmo que em cúmplice segredo
E para todos os efeitos, desconhecido. Tudo como se
Fosse imaginado como a mais pequena das partes da matéria.

Olharia, por fim, as estrelas
E numa língua estranha (semelhante à que se escreve em poesia)
Alinharia as palavras segundo a regra das flores
Ou seja, renascia,
Nem que fosse por um curto dia.


Ricardo S.
(1991?)
(composição para A Criança Inacabada)

|imagem: reprodução de Born a Dragon Fly, Tony Curanaj|
.

13 comentários:

dade amorim disse...

Que lindo, Leonardo!

Pronto, acabaram as férias.

Um abraço dos grandes.

Ale Danyluk disse...

Nem cantar, nem tampouco entender...
As peripécias do amor e seus desdobramentos sempre nos fazem eternas estudiosas e curiosas sobre o assunto e o ser....
Lindo !
Beijão
Ale

angela disse...

Que poema bonito! Se eu soubesse...
beijos

Casa de Mariah disse...

mesmo que seja por um dia, por uma hora, sempre vale a pena!

Mirze Souza disse...

Lindo, Leonardo!

Essa partícula "SE", faz´se película em nossas vidas. Realmente há uma língua estranha a escrever poesias.

Brilhante!

Abraços

Mirze

Lídia Borges disse...

(...)"saber alinhar as palavras, segundo a regra das flores" ?
Tomara aprender.

As tuas palavras são sempre "estranhas" porque imaginadas para deslumbrar a partir da "mais pequena parte da matéria".

L.B.

Insana disse...

Lindo Texto como sempre encantador.

bjs
Insana

Lara Amaral disse...

Poeta, tu, como bom entendedor das miudezas que causam efeitos dantescos, descreve-as uma a uma, cuidadosa e lindamente.

Beijo.

Valéria Sorohan disse...

Borboleta, porque eu voei...

BeijooO*

Sonhadora disse...

Poeta
Renascer mesmo por um dia...plenitude como a escrita das flores.

Sonhadora

nydia bonetti disse...

Teu poema é canção, carta de flores, estrela. E um poema não é só por um dia. Que lindo! Beijo, Leonardo.

Marcelo Novaes disse...

Leonardo/ Ricardo S.,


Tudo já está feito com organicidade, no caso.






Abraços.

Cris Caetano disse...

A cada dia tudo se transforma, inclusive as palavras.

Beijinhos