abril 25, 2010

.











ficava meses e meses
sem escrever palavra.

Então estralava

dedos em bálsamo
estralava, estralava
meus ossos de libélula.

Asas de nébula
abertas
eu ululava
ululava

|texto de Neuzza Pinheiro, com autorização da autora; imagem L.B. em CPT|



19 comentários:

pin gente disse...

muito belo!
algo para os amantes lerem em voz baixa na sua barca.

um abraço
luísa

manuel marques disse...

De qualquer palavra profunda, todos nós somos discípulos .

Abraço.

Neuzza Pinhero disse...

fico muito grata, Leonardo, eu e meu Spirituals, vendo meus versos nesta barca.
Vejo na sua ilustração as digitais quase invisíveis, marcas nalgum ponto, algum corpus,
coisa indecifrável.
um beijo

Marcelo Novaes disse...

Leonardo,



Ora, ora...



Fosse eu um mistificador e quisera tomar Jung por Guru (coisa que ele não é..., e eu sou muito exigente com Gurus...), eu diria que a tal sincronicidade hoje mostrou-me as unhas e desenhou-se no horizonte poético, mostrando [a quem disso ainda precisasse...] a sua inegável concretude. Quando Cronos se encontra com Kairós [ou, "quando nosso tempo se alinha com o Tempo de Deus"...]essas coisas acontecem. [Eis minha definição de sincronicidade].



Recitei para Adrianna Coelho, pelo skype, poemas de Neuzza Pinhero, pouquíssimas horas atrás, para lhe mostrar sua [=dela] melodia.

[A tua, Leonardo, ela já ouviu, também pela minha voz...]


E agora, Leonardo, me vem você imprimindo esses ululares-sem-lar [porque ulular-de-asas] na tela.



Assim sendo, sinto-me comungando com vcs dois, como comunguei com a Adrianna pela manhã...








Abraços em ambos.

Erica Maria disse...

Q lindoooo!

Adorei o blog viu?

Linkei lá no meu!!!

Bjos!

Ana Lucia Franco disse...

Leo, diante da poesia, talvez o silêncio seja sábio. Para que urrar, agredir, como um monstro, como muitos fazem? Silenciar é sabedoria e poesia.

um beijo prá ti, doce poeta..

Juan Moravagine Carneiro disse...

Simples, intenso e complexo como um Haiku...


...Abraço

Bípede Falante disse...

Estralava e estrelava porque com poucas palavras crias o efeito de uma constelação.

Letícia disse...

Passo mais tempo lendo um poema do que uma página de um romance ou conto. Ou até mais que isso.

Parabéns à Neuzza pelo poema e a você por divulgar o trabalho dela.

betina moraes disse...

barqueiro,


que belo!

a delicadeza atingiu-me aqui...

a poeta Neuzza Pinheiro já está entre minhas leituras daqui para sempre!


muito obrigada,

grande abraço!

Mari entre linhas disse...

Gostei muito, muito mesmo.
Palavras são nossas guias.
Abraço.

angela disse...

e o faz lindamente.
b eijos

Carol Morais disse...

Que texto lindo!
Puro, leve...de tao leve pude escutar com exatidao o estralo de deos como ossinhos de libelula.
O poeta ululava...ululava...

Lindo!

Albuq disse...

Lindo....

tão suave e tão vivo! bjs

Reflexo d Alma disse...

Linda semana!
Bjins entre sonhos e delírios

"Mas o abraço era tão apertado,
tão apertado
que os corpos eram quase mais que colados.
Poderia dizer que eram um só."

Ju Fuzetto disse...

As palavras sempre explodem em suas mãos, feito fogos de artificios, uma festa de sinfonia de frases, tú estas sempre nas melhores palavras através de sua alma leve!!!


Boa semana amigo
Mil beijocas

Marcelino disse...

Belíssimo o ofício metalinguístico!

anita sereno disse...

ola bom amanhecer passei para conhecer o seu espaço esta fantástico votos de muito sucesso para seu blog beijos boa semana

Kanauã Kaluanã disse...

Coisa mais linda!
Depois de ler e sentir a melodia das asas em cada palavra, só se deseja que o poema nos pouse no dedo e nos leve com ele.

Grande escritora.

Grande sensibilidade na sua escolha, Leonardo.

Beijos.
.
.
.
Katyuscia